Nosso Blog

Muitas novidades estão acontecendo na Ignilife, eis aqui as mais recentes.

Como resolver conflitos de Gerações X e Y dentro da empresa?

16 dez 2019

Como resolver conflitos de Gerações X e Y dentro da empresa?

Geração X versus Millennials: as diferenças entre profissionais desses dois grupos podem causar um verdadeiro conflito de gerações dentro das empresas. Você vivencia problemas relacionados a isso no dia a dia da sua organização?

Nos últimos anos, se tornou comum falar do perfil profissional de indivíduos das Gerações X e Y. Assim, empresas podem saber como agradar cada grupo. No entanto, um aspecto pouco abordado é o conflito geracional de ter esses dois públicos dentro da corporação.

Neste artigo, você vai entender quais são as principais particularidades dessas duas gerações, o que elas esperam do ambiente corporativo e como é possível resolver conflitos e buscar harmonia no trabalho. Continue a leitura e descubra.

Qual é o perfil de cada geração?

A Geração X é definida pelo grupo de pessoas que nasceu entre os anos 1960 e 1980. No mercado corporativo, profissionais dessa época são conhecidos por serem mais apegados aos cargos que ocupam e à estabilidade que um emprego pode trazer.

Nascidos em um contexto pré-digital, eles acabam sendo um pouco resistentes à tecnologia. Por outro lado, são colaboradores dedicados e racionais na tomada de decisões. Por estarem no mercado há mais tempo, podem julgar-se um pouco superiores às novas gerações.

Já os Millennials, pessoas nascidas entre os anos 1980 e 2000, compõem a Geração Y. Pode parecer que pouco tempo separa um grupo e outro, no entanto, o desenvolvimento acelerado da tecnologia se tornou o grande divisor de águas entre as gerações.

Os Millennials são nativos digitais, já nasceram no contexto de internet e, por isso, sua performance profissional é bastante ligada ao que a tecnologia pode oferecer. Eles são mais ágeis, mas, ao mesmo tempo, muito imediatistas.

Acostumados com a rapidez do mundo moderno, eles não se importam com mudanças e aprendem rápido a lidar com novos desafios. Porém, um ponto negativo é que eles se cansam fácil de rotinas repetitivas e, muitas vezes, não são persistentes para se aprofundar em um tema.

Como resolver conflitos geracionais na rotina corporativa?

Fica claro que as diferenças entre profissionais das Gerações X e Y pode provocar inúmeros conflitos. De fato, é praticamente impossível que eles não aconteçam em algum momento na empresa. No entanto, é fundamental encontrar formas de lidar com esses desentendimentos, de forma eficiente. Veja algumas dicas.

Ajudar os colaboradores a entenderem essas distinções

As divisões geracionais e características de cada grupo podem até ser bem comuns para gestores e profissionais de RH. Entretanto, nem sempre elas são familiares para os profissionais.

Apresentar essas questões e mostrar o cenário em que os colaboradores estão inseridos pode ajudar aos profissionais de diferentes épocas a se compreenderem melhor.

Frisar a importância do entendimento para o crescimento da empresa

Um time em conflito dificilmente vai ganhar um jogo. No contexto empresarial, é necessário mostrar que todos ali estão em busca do mesmo objetivo: o crescimento da empresa e, consequentemente, o desenvolvimento individual.

Colocar as diferenças geracionais de lado e focar no propósito comum vai permitir um trabalho mais harmonioso, com compreensão de ambas as partes e resultados lucrativos para toda a equipe.

Ensinar a usar as práticas de Comunicação Não-Violenta

Comunicação Não-Violenta (CNV) é um conceito do psicólogo Marshall Rosenberg que busca uma forma mais eficiente e empática de se relacionar com o outro.

Ao ensinar a CNV aos profissionais, eles vão conseguir expressar incômodos de forma mais pacífica e sugerir melhorias para os relacionamentos interpessoais na empresa.

Lidar de forma hábil com os conflitos de gerações dentro da organização se tornou imperativo para gestores. Afinal, um novo desafio já está chegando ao mercado: a Geração Z. Conseguir conciliar interesses e modos pode ser um fator decisivo para a saúde das equipes.

Achou este texto interessante? Então não deixe de compartilhá-lo em suas redes sociais!