Nosso Blog

Muitas novidades estão acontecendo na Ignilife, eis aqui as mais recentes.

Technostress: conheça os malefícios da tecnologia

9 jan 2020

Technostress: conheça os malefícios da tecnologia

A tecnologia trouxe muita coisa boa, no entanto, está longe de ser apenas benéfica. Na verdade, com ela, surgiu o que vem sendo chamado de technostress. Você sabe do que se trata?

Contando com cada vez mais pressão e altas expectativas, novas ferramentas podem se tornar mais uma fonte de estresse do que de ajuda. O termo technostress representa os sintomas negativos relacionados ao uso regular e adoção dessas novas tecnologias.

E é sobre os malefícios que os avanços tecnológicos podem acarretar que vamos falar neste artigo. Por isso, acompanhe a leitura e confira!

Vício em permanecer conectado

Dentre os avanços das últimas décadas, a internet está no topo da lista. E é justamente por meio dela que surgiram novos vícios e distúrbios. O FOMO (fear of missing out), por exemplo, é uma síndrome cuja sigla indica o “medo de perder” alguma coisa. Na prática, é um incômodo por ficar desconectado e não acompanhar redes sociais, notícias e acontecimentos em tempo real.

A dependência digital não se caracteriza apenas pela necessidade de ficar online constantemente. Há situações que levam ao extremo. Quando foi a última vez que você ficou sem fazer nada e não sentiu necessidade de pegar o celular? Estima-se que o brasileiro passe, em média, 9h29 conectado todos os dias.

Alterações no sono

Além dos smartphones e do computador, há também a televisão nessa conta. Ainda que represente um importante entretenimento, a tevê tomou conta do dia a dia. Tanto que há quem não abra mão de uma em cada cômodo da casa, inclusive no quarto.

A questão é que pesquisadores têm demonstrado cada vez mais como essa tecnologia acarreta malefícios. Há o risco de engordar, de ter a visão alterada, de sedentarismo e de depressão. As alterações do sono também são muito comuns. Ao dormir com a TV ligada, ou com o celular vibrando de tempos em tempos, acontece uma excitação pequena no cérebro. O resultado a longo prazo inclui crises e até mesmo insônia crônica.

Ansiedade e dificuldade de interação física

A velocidade com que tudo acontece online, com novos aplicativos sendo lançados e constantes interações, influencia diretamente na ansiedade. Além de não querer ficar de fora das tendências, há a sensação de não conseguir acompanhá-las. Para profissionais, a constante necessidade de especialização e atualização pode causar transtornos no ambiente de trabalho.

Outro ponto importante é que, como todo o contato acontece online, há dificuldade em agir offline. Há até mesmo quem não saiba como se portar em uma reunião, por ter toda sua rotina baseada em conversas digitais.

Desatenção e falta de foco

Um estudo realizado no Canadá, em 2015, ainda antes do auge de aplicativos de troca de mensagens, apontou uma importante redução na capacidade de foco. Na pesquisa, foi constatado que a concentração dos humanos caiu de 12 para 8 segundos no começo da década.

Sem estratégias, como mindfulness e meditação, cada vez mais requisitadas, a tendência é a desatenção. Com hiperestímulos ao redor, a mente não consegue canalizar seus esforços de maneira adequada.

Convém dizer, porém, que ainda que os malefícios sejam crescentes, são o resultado principalmente de exageros. Quando utilizados com moderação, aparelhos e equipamentos eletrônicos são seguros e aliados da rotina. A questão é saber dosar sua utilização e priorizar o que é mesmo necessário a cada momento.

Em resumo, o technostress é um efeito colateral das constantes inovações tecnológicas. Contudo, é possível utilizá-las sem se sentir sobrecarregado ou dependente. Cabe a cada um perceber os próprios hábitos e buscar ajuda assim que perceber que há mais do que um uso comedido desses aparatos.

E então, você acha que está sabendo como usar bem a internet e os muitos aplicativos trazidos por ela? Aproveite a visita para seguir as nossas redes sociais e ficar por dentro de todas as novidades e dicas para o ambiente de trabalho. Estamos no Facebook, no LinkedIn, no Twitter e no Instagram.